Jornal espanhol ‘La Voz de Galicia’ tenta criminalizar a comunidade linguística galega

Após diversas notícias aparecidas no jornal espanhol ‘La Voz de Galicia’ onde se fala de diversos casos de criminalidade acontecidos na Galiza, este jornal menciona explicitamente a condição de galego utentes de vários dos delinquentes citados pelo jornal. Tento em conta que o galego é a língua própria e oficial na Galiza não teria nenhum sentindo apelar a essa condição como não tem nenhum sentido apelar explicitamente a que um criminal de Madrid fale em castelhano ou um de Lisboa em português.

A Carta Europeia dos Direitos Fundamentais estabelece no seu Artigo 21.1 que «é proibida a discriminação em razão, designadamente, do sexo, raça, cor ou origem étnica ou social, características genéticas, língua, religião ou convicções, opiniões políticas ou outras, pertença a uma minoria nacional, riqueza, nascimento, deficiência, idade ou orientação sexual.»

Neste sentido consideramos muito graves as acusações vertidas pelo jornal ‘La Voz de Galicia’ e provavelmente a fiscalia ou o valedor do Povo da Galicia ou mesmo organizações de defesa dos direitos civis deveriam tomar imediatamente cartas no assunto.

Eis um excerto das notícias publicadas por devantido jornal:

563579_10151475030994300_606424458_n

 

Nota: Este tema tem sido objeto de tratamento en diversos médios e blogues nos últimos dias. Aqui uma mostra:

Segundo os criterios de La Voz, é recomendable subliñar que os delincuentes falan galego... en ExVoz

«Encapuchados y con acento gallego», no blogue de Carlos Callón.

¿Habla gallego? ¡Llamad a la Policía! en Sermos Galiza

“Acento galego” e resistência cultural